Artigos

Algumas reflexões em torno da Prece de Cáritas* - Orar pede reflexão

Adriana de Oliveira Pavani  

A Prece de Cáritas é conhecidíssima, principalmente no meio espírita.


Ela é uma oração que foi recebida pela médium madame W. Krell, num círculo espírita de Bordéus, França, na noite de Natal de 1873, época em que o Espiritismo já dava seus primeiros passos.

Chega-se, inclusive, a fazer-se dela um amuleto ou pronunciá-la mecanicamente como se fosse uma fórmula mágica para acalmar os espíritos ou alcançar o que se poderia chamar graça, sem se compreender sua sublimidade e beleza.

Mas, façamos uma reflexão em torno dela.

Abaixo segue o que se pode chamar de um início de reflexões em torno desta bela prece, pois cada um pode refletir sobre ela e tirar suas próprias conclusões, exercitando, assim, a fé raciocinada e sempre encontrando algo novo no mesmo texto:

Deus, nosso Pai, que sois todo Poder e Bondade, dai força àquele que passa pela provação, dai luz àquele que procura a verdade, ponde no coração do homem a compaixão e a caridade..."

Todo aquele que tem fé sempre procura na prece o contato com Deus. Tendo em vista o Poder e a Bondade a ele creditados, é Nele que se busca a força para suportar uma provação e ultrapassar mais uma etapa da trajetória evolutiva.

Aquele que procura a verdade é aquele que está em constante busca de conhecimento, procurando melhorar-se a cada dia. Por isso, o conhecimento é luz a se acender em nosso caminho.

Compaixão e caridade são duas consequências da busca do conhecimento. Aquele que passa a conhecer suas fraquezas e busca melhorá-las até suprimi-las, terá condições de compreender o próximo que ainda não atingiu as condições de também melhorar-se.

"...Deus! Dai ao viajor a estrela guia, ao aflito a consolação, ao doente o repouso.
Pai! Dai ao culpado o arrependimento, ao espírito a verdade, à criança o guia, ao órfão o pai..."


Aquele que tem fé, sempre encontra aquilo que procura e recebe aquilo que merece. Aquele que faz sua reforma interior, reconhece suas culpas e delas se arrepende, sempre buscando reparar os erros do passado. É por isso que se roga para se dar a verdade ao Espírito, porque nós somos Espíritos em busca da verdade.

E, deparando-se com a busca da verdade, é através desta busca que encontramos a consolação e o repouso, o guia e o pai, porque nunca estamos desamparados e sempre temos alguém – o dito anjo bom – ao nosso lado. Prova incontestável é a reencarnação, pela qual poderemos repara erros do passado e aprender outras lições, que sempre nos serão proveitosas.

"... Senhor! Que a vossa bondade se estenda sobre tudo que criastes.
Piedade, Senhor, para aqueles que vos não conhecem, esperança para aqueles que sofrem..."


A bondade de Deus é incomensurável. Se analisarmos cada situação difícil pela qual passamos, poderemos ver que sempre houve alguém a nos auxiliar, a nos estender as mãos, ainda que fosse uma pessoa estranha ao nosso convívio, que nunca vimos.

É preciso, ainda, ser piedoso para aqueles que não O conhecem, porque a verdade pode ser conhecida por muitas formas e em muitas situações. Sabemos que aquele que hoje se proclama ateu, amanhã poderá ser um missionário religioso. É só lembrar da história de Paulo de Tarso, que passou de perseguidor a seguidor do cristianismo, tornando-se um de seus maiores missionários.

"... Que a vossa bondade permita aos Espíritos consoladores derramarem por toda a parte a paz, a esperança e a fé.
Deus! Um raio, uma faísca do Vosso amor pode abrasar a Terra; deixai-nos beber na fontes dessa bondade fecunda e infinita, e todas as lágrimas secarão, todas as dores acalmar-se-ão..."


Sem sombra de dúvida, os Espíritos Consoladores já vêm à Terra para derramar a paz, a esperança e a fé, pois, cada vez que se emite um pensamento de bondade, que se semeia uma semente de esperança ou se estende a mão caridosamente, já estamos abrindo caminho para que os Espíritos Consoladores possam aproximar-se e exercitar a sua sublime tarefa.

E, se uma faísca do amor divino pode abrasar a terra, imagine a grandeza desse amor do Pai sobre seus filhos, que é capaz de nos permitir recomeçar sempre!

"... Um só coração, um só pensamento subirá até vós, como um grito de reconhecimento e de amor..."

Isso será uma consequência natural, que só o tempo e a nossa evolução serão capazes de trazer.

"... Como Moisés sobre a montanha, nós vos esperamos com os braços abertos, oh! Bondade, oh! Beleza, oh! Perfeição, e queremos de alguma sorte merecer a Vossa Misericórdia..."

Ao abrirmos o nosso coração e fazermos nossa reforma íntima, já somos merecedores da misericórdia divina, que nos permite começar e recomeçar. Como já exposto, é o Seu amor grandioso, que sempre nos abre os caminhos dos recomeços.

"...Deus! Dai-nos a força de ajudar o progresso a fim de subirmos até vós, dai-nos a caridade pura, dai-nos a fé e a razão; dai-nos a simplicidade que fará das nossas almas o espelho onde se refletirá a Vossa Imagem! "

O progresso é um marcha obrigatória em nosso caminho. Uns mais rapidamente, outros mais vagarosamente, mas sempre haverá progresso. Até o fim deste caminho – se é que ele tem fim, pois a evolução nunca pára – encontraremos a caridade pura, a fé, a razão, a simplicidade, porque para aquele que é verdadeiramente caridoso, não é preciso luxo ou ostentação, pois é nas coisas pequenas e simples que se encontra a grandeza de Deus.

Ao se atingir este patamar, seremos mesmo como um espelho, que será capaz de refletir a imagem Divina.

Atingir este ponto não é tão difícil como parece. É preciso, apenas, dar o primeiro passo e ser firme em seu objetivo e isso, depende única e exclusivamente de nós.

* Artigo extraído da Revista Internacional de Espiritismo . Matão, SP: Março de 2002. p.91-92

A Prece de Cáritas **

A conhecida Prece de Cáritas foi recebida mediunicamente no Natal de 1873, em Bordéus – na França. Embora a autora espiritual ficasse conhecida como Cáritas, no original publicado à página 177 do Livro Rayonnements de La Spirituelle (obra mediúnica da Sra. W. Krell), a assinatura aparece com Cárita, concordante com as mensagens incluídas por Allan Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo (capítulo XIII, item 13, 107a edição da FEB – Rio – RJ – 08/1993) e também na Revista Espírita (anos 1862, 64, 65 e 66). Todas as mensagens foram recebidas em Lyon , na França, e estão com a assinatura Cáritas. O Espírito apresenta-se como martirizada em Roma e também viveu na figura de Santa Irene, imperatriz (752-803), conforme Nota de Redação do Anuário Espírita 2002, editado pelo IDE de Araras-SP, página 96. Cairbar Schutel a incluiu em seu Preces Espíritas.

** Síntese da matéria Prece de Cáritas e a médium Sra. W. Krell, de Cícero B. Pimentel, publicada pelo Anuário Espírita 2002, Araras, SP: IDE.
_______________________________
LEITURAS RECOMENDADAS:
SCHUTEL, Cairbar – Preces Espíritas – O CLARIM
XAVIER, Francisco Cândido. Paulo e Estevão. Pelo Espírito Emmanuel – FEB

voltar ao topo   


Centro Espírita Bezerra de Menezes © 1912 - 2004. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Rafael Santos